Categorias
Artigos

5 boas práticas de planejamento financeiro para pais

Pai é quem cria, ensina, sustenta e protege. E quando o assunto é dinheiro, o pai tradicionalmente foi o pilar financeiro, papel hoje cada vez mais compartilhado com a mulher. Como não existe manual para ser pai, é comum encontrar os que se dedicam a manter o bem-estar financeiro dos filhos, mas deixam de seguir boas práticas de planejamento que permitem que essa condição se sustente no futuro. “Heróis” dos filhos, os pais podem conviver melhor com essa capa quando protegem os riscos que podem trazer impactos para a própria vida e a da família.  Neste artigo, elenco cinco boas práticas de planejamento financeiro para quem já é pai ou pretende ser.

1- Esteja pronto para imprevistos

O inesperado sempre pode acontecer. A geladeira ou o carro pifou, o pet da família ficou doente e, o maior de todos, a perda de renda ou salário de um dia para o outro. Diante de situações inesperadas é preciso contar com uma reserva de segurança, ou seja, um valor equivalente a seis meses das despesas em aplicação de baixo risco. É um investimento que protege da necessidade de se endividar em limites de cheque especial ou empréstimos para arcar com as emergências. Nesse pedaço do patrimônio, o que vale é ter acesso rápido aos recursos sem risco (oscilação). Sim, é a parte do investimento “sem emoção”, mas que garante noites de sono mais tranquilas.

2- Quer deixar patrimônio os filhos? Atenção aos custos

Papais cringes (ou mesmo os mais novos!) gostam de investir pensando no que deixarão para os filhos e invariavelmente isso se converte na aquisição de muitos imóveis. Nada contra o investimento de tijolo mais tradicional e amado do brasileiro, mas é preciso pensar no custo que eles geram ao longo da vida e na forma com que serão transmitidos aos filhos na ausência do pai.

Imóveis entram em inventário, o que gera um custo médio de 10% do valor total para pagar advogado e mais o Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD), que varia de acordo com cada estado – em São Paulo, por exemplo, corresponde a 4% do valor total dos bens. Portanto, pensar em estratégias que reduzam os custos para os filhos (e brigas também) é um bom legado e exemplo. Caminhos possíveis são ter uma cobertura para arcar com essas despesas em seguro de vida, estudar se a doação é uma alternativa correta, ou mesmo diversificar o patrimônio com a previdência, que não entra em inventário. Mais uma vez, é importante analisar as situações de forma individual, pois cada Estado tem suas regras e cada família, suas particularidades. Não há receita de bolo.

3- Cuide do pai de amanhã

Continuar na ativa após a aposentadoria é a escolha de muitos pais que se sentem bem com o que fazem, mas em muitos casos isso acontece por necessidade. Isso porque, sem a renda do trabalho, não é possível arcar com as próprias despesas depois que os filhos já se tornaram independentes. Para evitar isso, é recomendável fazer um planejamento para ter independência financeira na aposentadoria. Quanto antes souber quanto precisa acumular em patrimônio para ter renda no futuro, mais tranquila será a jornada para chegar até ele. Se hoje não é possível para um aposentado arcar com todas as despesas só com o INSS, no futuro isso é ainda mais incerto. Então, formar uma reserva em previdência complementar traz uma proteção maior para o pai do futuro, que é aquele que vai curtir a vida.

4- Proteja a situação financeira de eventuais riscos

Antigamente, a figura do pai era a do que nunca tinha tempo para a família. O negócio era trabalhar e garantir boa escola e férias aos filhos. Não que isso seja diferente hoje, mas é preciso parar para pensar: e se a bateria do papai acabar de repente ou falhar? Como fica a família? Os seguros saúde protegem de gastos expressivos com internação, enquanto o seguro de vida garante recursos para que a família se sustente por um tempo, sem uma queda abrupta no padrão de vida. É um assunto delicado, eu sei. Mas o seguro também protege em vida, com indenizações no caso de invalidez, diagnóstico de doenças graves e até perda de renda.

5- O maior legado é o que o pai ensina (e faz!)

Sempre que converso sobre dinheiro com clientes, conversamos sobre como os pais lidavam com os recursos. Naturalmente ouvi histórias de pais que gastavam como se não houvesse amanhã, e também de pais bem rígidos com o cofrinho dos filhos. De certa forma, ensinaram de um jeito agradável ou não, alguma lição sobre dinheiro. Muito além da educação financeira, ao explicar conceitos, ensinaram com o próprio exemplo. É comum ver filhos com bom planejamento para aposentadoria que tiveram pais que fizeram isso para si próprios. Então, um bom legado que pais podem deixar é o exemplo, para que os filhos também sejam independentes financeiramente. Com planejamento financeiro é possível criar uma corrente positiva, que reflete na própria vida e na de quem está ao redor.

 

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

4 medidas para proteger suas finanças da inflação

Há alguns meses assistia a uma novela antiga, do fim da década de 1980, um típico “programa de pandemia”, quando observei um diálogo sobre como os preços nos supermercados estavam pela “hora da morte”. Esse é um diálogo corriqueiro em várias obras do gênero. É que a novela da inflação, vira e mexe se repete.

É claro que ela não é mais tão forte como nos 80 e passou a ter um pouco mais estabilidade nas últimas décadas, após o Plano Real. Mas em um ano ou outro ela nos relembra sobre quão é resistente, feito um dragão. Na pandemia não foi diferente. Os preços de alimentos, gasolina e, agora, da energia subiram, e por serem itens essenciais, reduzem o poder de compra das famílias.

O índice de inflação em maio foi de 0,83% – a maior taxa para este mesmo mês desde 1996. Nos últimos 12 meses, subiu 8,06%, o que corroeu não só a capacidade de consumo, mas também o poder de compra do dinheiro que está em aplicações financeiras e que renderam menos que esse percentual. Se os rendimentos não acompanharam a inflação, o recurso pode não ser suficiente para comprar o que gostaria no futuro.

Por isso, quando o assunto é a inflação no planejamento financeiro das famílias, é importante adotar uma série de medidas, que passam não só pela revisão das aplicações, mas também por controle do orçamento e por uma atenção extra ao comportamento de consumo. Selecionei quatro delas.

1- Descubra qual é a sua inflação pessoal

O índice de inflação oficial no Brasil, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), registra a cada mês o aumento de preços de uma cesta de consumo de famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos, em dez regiões metropolitanas, além de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília. É um índice amplo, que serve como base sobre o quanto o poder de compra pode ser afetado por altas.

Mas nem sempre reflete a realidade do orçamento de uma pessoa ou de uma família em específico, já que cada qual tem suas particularidades. Por isso, o controle financeiro dos gastos, com anotações mês a mês, permite entender o quanto a despesa pessoal foi afetada pelos aumentos nos preços. Montar um fluxo de caixa, com anotação mensal de recebimentos e despesas por categorias, permite fazer um orçamento e acompanhar onde estão os gargalos e tomar medidas específicas sobre eles.

 

2- Substituir é um clássico que dá certo

Quando há controle financeiro, é possível saber onde a inflação está atingindo o orçamento e, com isso, tomar medidas. A mais clássica que os economistas recomendam é a substituição de marcas de produtos, ou mesmo por outras categorias, para fugir de preços temporariamente elevados. É o famoso trocar arroz por macarrão ou carne por frango, dependendo da época. Quando se trata de alimentação, vale usar a criatividade e quem costuma fazer um cardápio pode ter mais facilidade para fazer trocas interessantes de alimentos, preferindo os da estação.

As substituições também valem para serviços como planos de saúde, seguros, planos de TV por assinatura, internet e celular. Olhar para a concorrência todo ano pode até fazer com que o tipo de serviço melhore a um preço menor. É claro que o consumidor deve analisar bem essa decisão, para evitar que uma eventual carência no plano de saúde traga impactos negativos. Mas quando feita de forma sistemática e organizada, a substituição é uma grande aliada do orçamento.

3- Racionalize o consumo

Se não está no ambiente, apague a luz. Quem nunca ouviu a frase da mãe, tia ou avó? Sim, o uso racional dos recursos é outro aliado para segurar o preço de tarifas. Vale para o consumo de água, gás e compras de forma geral.

Quando a inflação foi um mal constante no país, era muito comum ver famílias lotando carrinhos nos supermercados para estocar comida, pois os preços subiam numa velocidade impressionante. Hoje isso não faz tanto sentido. Por essa razão, sempre vale olhar para a despensa e comprar apenas o que vai realmente cozinhar e consumir. Até porque convivemos com as entregas de comida pronta, e já observei muitas pessoas enchendo a despensa para depois fazer vários pedidos de delivery. Costumo dizer que guardam dinheiro na despensa.

Racionalizar implica prestar atenção ao comportamento de consumo. Se preparar os alimentos dá preguiça, é melhor não fazer muitas compras no supermercado. Ou se deseja mudar esse hábito, crie estratégias fáceis para usar o que tem no armário e geladeira e reduzir os pedidos de comida pronta. É uma escolha.

O consumo torna-se racional também quando é possível evitar os comportamentos que afetam os preços, como o de manada. Isso porque o aumento de preços é causado pela procura muito alta de um determinado bem ou serviço que não estava preparado para isso. É claro que a pandemia forçou muitas famílias a reformar casas para adaptar uma moradia a um espaço de trabalho e de estudo para crianças. Os preços de materiais de construção e de mão de obra subiram bastante por esse movimento e pelo aquecimento de novas construções, que continuaram a todo vapor. Racionalizar, nesse caso, é fazer as mudanças necessárias e deixar o que for possível para depois que essa onda passar. Porque ela passa.

4- Invista olhando para o indicador certo

A maior parte desse artigo foi sobre como proteger o seu dinheiro hoje, mas não podemos permitir que a inflação reduza o poder de compra dele no futuro.

Para isso, é necessário buscar um rendimento na carteira de investimentos acima da inflação, sem um risco tão elevado, que não possa ser suportado na carteira de investimentos. Em outras palavras, que esteja dentro do perfil de risco.

A melhor forma de investir é determinando objetivos e prazos para os recursos e manter uma reserva em baixo risco para cobrir imprevistos, porque eles acontecem. É muito importante também investir para ter liberdade financeira na aposentadoria. E se o valor investido para os projetos no médio prazo e no longo prazo não estiver acompanhando a inflação e, de preferência, entregando um retorno superior, é possível que não consiga lá na frente comprar as mesmas coisas que consegue hoje ou ter a renda necessária para o futuro.

É comum observar sempre o rendimento comparado ao CDI, que é a taxa de referência para os investimentos, e que está negativa se comparada à inflação. Por isso, o ideal é olhar para o indicador certo, buscar gestão profissional de investimentos para fazer correções e proteger os projetos do futuro que, neste momento, já podem estar na mira da inflação.

 

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

Minimalismo: quando menos é mais tempo e dinheiro

O movimento que defende que viver mais com menos traz qualidade de vida vem sendo cada vez mais propagado nos últimos cinco anos. No serviço de streaming Netflix estão disponíveis dois documentários sobre o assunto. Muito associado ao ato de consumir menos e no que realmente é importante e traz satisfação, o minimalismo pode ir além da economia de dinheiro nas compras.

Também pode ajudar a poupar um recurso que é cada vez mais escasso no cotidiano das pessoas, mesmo em tempos de pandemia: tempo e atenção.

A forma como administramos o tempo é tão valiosa quanto a forma que controlamos os recursos financeiros. No conceito minimalista, o excesso de objetos, que geralmente são comprados para preencher outros vazios na vida, demandam mais tempo para organizar em armários e, mais adiante, para selecionar os que devem ficar ou não.

Não apenas coisas, mas também o excesso de cartões de crédito e contas em bancos, corretoras e relacionamentos com instituições financeiras podem consumir bastante tempo em dois momentos importantes.

Um deles é na hora de declarar o Imposto de Renda. Gasta-se tempo para reunir os documentos, e atenção na hora de preencher e conferir para ver se os dados estão corretos. Uma das principais causas que levam o contribuinte à malha fina, segundo especialistas, é exatamente a digitação de dados incorretos.

Se há muitas informações causando uma insegurança para a pessoa que deveria preencher, em vez de tempo, será preciso gastar dinheiro para contratar um profissional ou outro investimento que reduza um pouco esse trabalho, como o certificado digital.

Neste ano, a Receita Federal colocou à disposição um projeto piloto de declaração pré-preenchida, que vem com dados previamente digitados, e deve ser feita online e pelo acesso Gov.br. Mesmo quem utiliza certificado digital ou a declaração pré-preenchida deve conferir as informações que constam de forma automática com os informes, para garantir que não será necessário fazer a retificação e, pior, não cair na malha fina.

O segundo momento em que o excesso de cartões e contas pode consumir bastante tempo é na organização financeira.

Para ter as rédeas das finanças por meio de um fluxo de caixa e orçamento, será necessário categorizar as despesas dos extratos e faturas. Esse processo é, muitas vezes revelador para quem acumula contas bancárias e cartões. É comum que as pessoas encontrem tarifas que nem faziam ideia que pagavam, pois simplesmente nunca pararam para consolidar esses relacionamentos com instituições financeiras.

Não defendo, porém, que o minimalismo deixe a pessoa acomodada aos relacionamentos bancários que tem. É importante conhecer o que o mercado oferece, experimentar, pois só assim encontrará alternativas melhores e que fazem mais sentido para o momento de vida atual. A proposta é escolher as que vão ficar.

Uma forma bem interessante de descobrir em quantas instituições o nome está cadastrado é por meio do Registrato, do Banco Central, um sistema que mostra quanto há em cada conta, quanto foi gasto em cada cartão de crédito e qual o nível de endividamento. Esse sistema também é uma excelente maneira de verificar se o nome pode estar sendo usado por outra pessoa, em alguma instituição.

O minimalismo que proponho não é só o que elimina quinquilharias e objetos que não trazem mais satisfação. Também está relacionado ao tempo e atenção para as finanças, que começam pela escolha de relacionamentos alinhados ao propósito de cada um.

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Uncategorized

3 benefícios do planejamento financeiro para mulheres

O planejamento financeiro é um serviço personalizado, que conduz à transformação positiva das finanças em todos os sentidos. Engloba desde administrar melhor o orçamento, ter seguros apropriados para a situação atual, melhor gestão dos impostos, investir de acordo com o perfil e objetivos e se preparar para o futuro distante, para garantir o padrão de vida na aposentadoria e a transmissão eficiente do patrimônio para os herdeiros.

São muitos os benefícios de um bom planejamento financeiro. Mas em vez de eu descrever alguns deles, resolvi, neste Dia Internacional da Mulher, passar essa tarefa para as minhas clientes. Dos depoimentos delas, extraí três vantagens.

PREPARAÇÃO PARA O FUTURO

Mulheres organizadas financeiramente conseguem realizar diversos projetos ao longo da vida: conquistam bens, experiências e qualidade de vida, mas podem não ter parado para pensar nos próximos 10 ou 20 anos.

Essa visão de longo prazo, que é difícil de ser exercida pelo brasileiro de forma geral, pode ser melhor trabalhada com planejamento financeiro.

Mesmo em tempos de pandemia, no qual a tendência é viver o presente, a mulher pode e deve se preparar para o próprio futuro e ao de seus dependentes. “Sempre fui organizada, mas não tinha a visão do futuro que o planejamento proporcionou”, me contou a jornalista Priscilla.

Fazer planos e principalmente realizá-los dá forças para que a visão de futuro se consolide. Clientes endividadas por causa do excesso de consumo também conseguiram desenvolver essa visão de futuro, investir para a aposentadoria, trabalhando também hábitos e o aspecto comportamental.

“Vivia no cheque especial e não tinha nenhuma vontade de organizar minhas finanças. Contratava a previdência, ficava sem dinheiro e resgatava sem dó para cobrir o cheque especial. Quando comecei o planejamento financeiro as coisas começaram a mudar. Invisto na previdência, controlo meus gastos e tenho prazer em entrar na minha conta e ver que está tudo indo bem”, conta a professora Renata.

AUTOCONHECIMENTO

“Conhece-te a ti mesmo e conhecerá o universo e os deuses.” A frase de Sócrates também se aplica ao dinheiro. Descobrir os pontos fortes e fracos permite criar estratégias que podem ajudar na hora de tomar decisões.

“O planejamento financeiro foi um processo de autoconhecimento que me permitiu enxergar os hábitos que não me permitiam avançar financeiramente. Hoje, após a consultoria, gerencio os meus gastos mensais, economizo e consigo investir para a realização dos meus objetivos. Conhecer o meu perfil foi fundamental para adquirir novos hábitos financeiros”, diz a psicóloga Daniela.

“Trabalhar o planejamento financeiro foi um processo de profundo autoconhecimento. Em um ano de trabalho orientado, consegui reorganizar a confusão que criei em anos anteriores. Assumi o controle das minhas decisões financeiras e me comprometi com os meus sonhos de longo prazo no lugar de fazer sempre escolhas emocionais”, conta a jornalista Giovanna. “O planejamento me deu autonomia para que, depois de terminada a orientação, tivesse condições de fazer escolhas melhores. Sem dúvidas, o investimento com o maior retorno que já fiz.”

SEGURANÇA

Educação financeira, orientação técnica e autoconhecimento são elementos que também trazem segurança na hora de tomar decisões.

“O principal benefício de ter recebido orientação do planejamento financeiro foi a sensação de segurança. É de estar com o dinheiro que eu tinha e poder organizar uma mudança e reforma de casa em plena pandemia. Ter essa orientação, quando não podia contar com a ajuda de mais ninguém, foi muito bom para minha segurança pessoal. O planejamento me deixou segura para fazer as coisas com mais calma, contando com o salário que eu já recebia, mas que foi melhor organizado com a orientação financeira”, afirma a aposentada Nilza.

Geralmente em processos de mudanças, que na verdade envolvem grandes e difíceis decisões, é importante contar com a consultoria de planejamento financeiro. “Não tenho tempo para me dedicar a analisar o mercado financeiro, sou conservadora e não daria o primeiro passo sozinha para assumir sequer riscos médios. Com o suporte da consultoria, posso tirar dúvidas e me sinto segura para investir”, destaca a jornalista Ana.

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

Não existe amanhã para tirar resoluções financeiras do papel

O ano virou, a vacinação começou, janeiro passou voando e não vai ter Carnaval. O que tudo isso indica? Que 2021 já está acontecendo e não temos que esperar a folia passar para que o ano realmente comece no Brasil, como sempre foi.

Se você entrou em 2021 com uma lista de desejos para tirar do papel, é bom olhar o que se transformou em realidade e o que está perto de sair da lista de intenções. Se se trata de uma tarefa, pode ser mais fácil você já ter concluído. Mas e se esse desejo estiver relacionado à uma mudança de hábito desafiadora?

Nesse caso vale prestar atenção ao que diz a psicologia econômica. A premissa é que usamos regras de bolso ou atalhos mentais para tomar a maior parte das decisões no dia a dia. São justificativas racionais que o nosso cérebro cria para explicar desejos e atitudes que tomamos baseadas em emoções. Então, na hora de agir, usamos as regras de bolso para tomar decisões, que simplificam a forma como avaliamos as informações.

E uma regra de bolso bem interessante quando se trata de começo de ano se chama “crença infundada na capacidade e no autocontrole futuros”.

O nome é comprido, mas significa o seguinte: você decide começar a guardar dinheiro e a investir no dia 02 de janeiro porque agora, em dezembro, não está conseguindo.  Quando chega esse dia, você não faz nada porque algo aconteceu ou você esqueceu.

Ou seja, quando você deixa para agir no futuro, acaba sabotando a realização de um objetivo. É um tipo de pegadinha que criamos para nós mesmos, e que a professora de Psicologia Econômica Vera Rita de Mello Ferreira explica mais nesse vídeo.

Então é preciso prestar atenção em quanto você está adiando uma tarefa difícil, mas muito importante para a realização do seu objetivo.  Pode ser desde guardar dinheiro e investir, ou mesmo revisar o orçamento para saber para onde o dinheiro está indo.

O melhor antídoto contra essa pegadinha é agir agora, sem titubear. Ah, mas hoje é terça-feira, melhor começar na segunda? Não, comece hoje mesmo.

Desde que fiz o curso com a professora Vera Rita e comecei a estudar mais sobre o assunto, tirei muitos objetivos do papel seguindo a lógica de não confiar no autocontrole futuro. Então começo mesmo dietas no sábado, e já me matriculei na academia no dia 27 de dezembro – a qual nunca mais abandonei, a não ser pelas restrições da pandemia.

Não marcar data para iniciar algo que está difícil de começar é o segredo. Então se tem algo que você ainda não fez para tirar um plano financeiro do papel, aproveite essa dica e faça agora. Se não sabe por onde começar, converse com um planejador financeiro para ter em mãos um plano de ação. E não espere o dinheiro sobrar para investir em você, separe-o agora, no começo do mês e dê o primeiro passo na direção dos seus objetivos.

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

5 riscos que os “conservadores” podem correr sem perceber

“Sabe o que é, sou conservador (a).” Essa é uma frase muito comum quando o assunto é investimentos. Mas o que é ser conservador?

Segundo o dicionário Michaelis, o conservador pode ser “aquele que conserva” e é “caracterizado pela prudência e moderação”. Em investimentos, dependendo da análise de perfil de risco de cada instituição financeira, é aquele que deveria ter aplicado a maior parte de seus investimentos em renda fixa e uma parcela menor em multimercados e renda variável. Não vou entrar no mérito de quanto, pois cada lugar tem a sua recomendação.

O que interessa é observar os riscos que as pessoas que se consideram conservadoras estão sujeitas, sem fazer a menor ideia. Disclaimer: a ideia não é criticar ou defender um ou outro tipo de investimento, mas trazer a reflexão sobre os riscos que podem não são percebidos, seja por falta de educação financeira, por aspectos do comportamento ou culturais, como o de seguir conceitos tradicionais.

 1- Deixar o dinheiro perder valor

Na época do meu avô, esse tipo de conservador guardava o dinheiro embaixo do colchão, para o caso de ter recursos diante de algum evento iminente. Hoje é quem tem todo o patrimônio em conta corrente ou na caderneta de poupança nova (a que recebeu depósitos após 03/05/2012).

A impressão é que não há nenhuma perda deixando tudo do jeito que está. Em geral, só se percebe que há algo errado quando é preciso comprar um bem com o valor aplicado e ver que não é possível, pois os preços subiram e o dinheiro não acompanhou a inflação.

2- Falsa proteção de capital

“Ganhe 18% ao ano, sem poder resgatar o valor em três anos, ou receba de volta o dinheiro que investiu.” Esse tipo de aplicação tem o conceito de capital protegido. Ele geralmente é estruturado para oferecer um retorno elevado, desde que não se mexa no recurso em um determinado período. Se tudo der errado, porém, o investidor tem de volta o mesmo valor que aplicou, sem mais nem menos. Parece muito bom, mas nessa oferta há riscos que podem ser ignorados.

Se receber apenas o que aplicou depois de três anos, a pessoa não terá o dinheiro corrigido pela inflação, portanto não protegeu o capital investido da alta de preços. Outro risco é o de perder a oportunidade de ganhar mais em outros investimentos, principalmente se houver uma mudança de cenário econômico, porque deixou o dinheiro travado.

3- Imobilizar o patrimônio, sem considerar custos

Comprar muitos imóveis e viver de renda de aluguel é a estratégia certeira. Quem nunca ouviu isso de pais, tios, cunhados e avós? No Brasil é difícil não ter escutado, e no passado realmente pode ter sido a melhor coisa. Afinal, antes de 1994 – e isso não faz tanto tempo –, a inflação era a vilã e o dinheiro perdia valor rapidamente se não fosse aplicado em algo concreto.

Essa ideia ficou no DNA e os riscos que as pessoas que amam imóveis correm são o de não descontar todos os custos que terão com esse investimento (manutenção, Imposto de Renda sobre o aluguel e o custo quando fica desocupado). Quando tudo isso é levado em consideração, pode não ser o melhor investimento em termos de retorno.

O segundo risco que corre quem tem todo ou quase todo o patrimônio em imóveis é o de ficar sem liquidez (possibilidade de ter acesso ao dinheiro rapidamente e sem perdas). Afinal, tijolo não paga boletos.

4- Precisar da certeza de quanto vai ganhar

Há pessoas que só se sentem confortáveis se souberem, com certeza, no ato do investimento, quanto vão ganhar. Em geral, investem tudo ou a maior parte do que têm em títulos prefixados, que geralmente têm vencimentos para daqui mais de um ano.

Quanto mais distante o vencimento, maior o retorno oferecido. Aqui há o mesmo risco dos exemplos 3 e 2: o de ficar sem disponibilidade do dinheiro em caso de necessidade e precisar pegar um empréstimo. E o de perder a oportunidade de ter ganhos em outros investimentos caso o cenário mude, principalmente em prazos longos, de três, cinco anos para cima.

5- Acreditar na promessa de retorno irresistível

Esse ficou por último, mas podia ser o primeiro, já que durante a pandemia, as ofertas de pirâmides financeiras cresceram a ponto de resultar em uma força-tarefa pelo Conselho Nacional de Defesa do Consumidor (CNDC).

A taxa básica de juros (Selic) no menor patamar da história, somada à crise sanitária, estimulou muitos “conservadores”, que tinham medo de investir em ações, a arriscar em ofertas fraudulentas que em geral envolvem operações com criptomoedas, câmbio e day trade. Dessa forma, correm o risco extremo, de perda total do capital investido. Por isso é bom desconfiar se o retorno prometido for muito elevado, sem nenhum risco. Porque isso não existe no mundo real. E se tiver dúvida, sempre pesquise a empresa que está oferecendo o investimento no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

O que fazer com o dinheiro que ficou na poupança?

Se você faz parte do grupo que guardou o dinheiro na poupança – um aviso importante: não precisa ter vergonha. O que mais se lê e escuta por aí é que o dinheiro guardado dessa maneira está fora de moda ou perdendo muito valor, mas muito valor mesmo.

Não que essas afirmações estejam completamente erradas, mas acredito que nem todo mundo é igual e cada caso é um caso. Dependendo da situação, você fez um bom negócio e agora é a hora de dar o próximo passo.

Antes, quero parabenizar você por simplesmente ter guardado dinheiro. Principalmente se esse valor é a sua primeira reserva de emergência, que protege você e sua família em caso de perda de renda, ou se foi a primeira vez que conseguiu guardar dinheiro na vida. Se já poupa, também há um prazer em fazer essa aplicação. Está pronto para mudar de fase.

Outro motivo comum para deixar na poupança é a falta de conhecimento sobre investimentos, o que dá medo de fazer uma escolha ruim. Afinal, não é fácil ter dinheiro sobrando e a ideia de perder é péssima. Se identificou? Também te entendo.

Há quem considere mais fácil deixar o dinheiro na poupança. Afinal, não tem cobrança de Imposto de Renda e pode ser usado a qualquer momento mesmo. É cômodo.

Enfim, são muitas as razões que explicam porque os brasileiros deixaram mais de R$ 1 trilhão na poupança em 2020. A captação líquida, ou seja, a diferença positiva entre aplicações e resgates, foi de R$ 166,3 bilhões. Outro motivo é a tradição, pois a caderneta de poupança é a aplicação mais antiga – completou 160 anos no dia 12 de janeiro. É a senhorinha querida de todos.

Lá no passado foi usada até por escravos, que puderam usar a caderneta para guardar dinheiro e comprar a alforria, a tão sonhada liberdade.

Tem risco, sabia?

Acredito que a principal razão para guardar o dinheiro na poupança tenha origem na sensação de segurança. Enfim, em tempos tão malucos em que até o superconservador título do Tesouro Selic teve retorno negativo em 2020, a ideia de ganhar pouco e nunca ver oscilação proporciona conforto. E bota conforto nisso. Mas quero contar uma coisa: a poupança tem risco.

O maior risco é ver seu dinheiro perder da inflação. Ou seja, os mesmos bens que o seu dinheiro compra hoje não poderão ser comprados amanhã porque os preços subiram mais do que o seu rendimento. Em 2020, a alta nos preços foi de 4,52% e a rentabilidade da caderneta de poupança atual é de 70% do que for a Selic. Ou seja, 1,40% ao ano se a taxa de juros estiver em 2%. Se subir para 3,25% este ano, como projeta o mercado financeiro, deve passar a render 2,28%.

Importante lembrar que o risco de crédito, que é aquele do banco quebrar, também está protegido no caso da poupança, mas só para depósitos de até R$ 250 mil por CPF pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC).

Conheça a poupança que ganhou da inflação em 2020

Sabe quem ganhou da inflação em 2020 com o dinheiro na caderneta de poupança?

Quem tinha depositado nela até o dia 3 de maio de 2012 e não mexeu mais. A regra para os recursos guardados até esta data é outra: rendimento de 0,5% ao mês ou 6,17% ao ano mais TR (Taxa Referencial). Então se o que você tem na poupança é dessa época, você realmente fez um ótimo negócio ao deixar tudo do jeito que está no ano passado.

 O que deixar na poupança? E o que tirar?

O que estiver na poupança antiga. Fora isso, se virou um hábito colocar um percentual dos seus ganhos na poupança todo mês, não há problema. Se virou uma espécie de cofrinho, faça revisões regulares, para não deixar esse cofrinho perder valor.

No planejamento financeiro, separamos o que é reserva de emergência e você pode ir para aplicações que pagam um pouquinho mais do que a caderneta, dos recursos que servirão para realizar os objetivos de médio e longo prazo.

Já pensou guardar dinheiro para viajar depois da pandemia e descobrir que o rendimento dele não acompanhou a alta no preço de passagens e hotéis? O que dizer então do que é guardado para a aposentadoria?

Sabendo quanto destinar e o prazo de cada objetivo que você tem, com certeza descobrirá opções melhores e mais diversificadas do que a nossa senhora caderneta. É uma oportunidade para aprender e melhorar sua educação financeira. E nesta parte entra o meu trabalho, o planejamento financeiro para atingir os objetivos em todas as fases da vida. Esse é o novo nome da liberdade financeira.

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

Do jogo para as finanças: o que aprender com O Gambito da Rainha

Uma das minisséries mais assistidas da Netflix em 2020, com audiência superior a 62 milhões de views nas primeiras quatro semanas de lançamento, O Gambito da Rainha também traz insights que podemos extrair do xadrez na hora de tomar decisões financeiras.

Bem avaliada por reproduzir com fidelidade os jogos, a série também atrai pela produção e atuação de Anya-Taylor Joy no papel da garota prodígio Beth Harmon, que aprende a jogar no orfanato e sonha ser supercampeã. A série prende atenção do início ao fim e emociona por ser uma história de superação da personagem, também viciada em calmantes e álcool.

Tudo acontece em apenas sete episódios. Se não aproveitou o recesso para assistir, aviso que o texto a seguir contém spoilers.

 1- Considere diferentes cenários

No xadrez é necessário considerar diferentes possibilidades no jogo e tentar prever os passos do seu oponente. Isso é mostrado com riqueza de detalhes na minissérie, tanto que a protagonista se torna famosa por desbancar os adversários ao surpreendê-los no jogo.

Em um plano financeiro, também é necessário considerar diferentes cenários e pensar no que fazer diante deles. É o que o dito popular chama de plano B, importante para atravessar momentos difíceis, como o da pandemia.  No planejamento financeiro, também chamamos isso de gestão de riscos, ou seja, a proteção de objetivos financeiros diante da possibilidade de eventos inesperados.

2- Para se desenvolver, revise o que foi feito e planeje

Na psicologia econômica, aprendi que registrar decisões e olhar para elas depois de um tempo nos ajuda a enxergar onde erramos. Assim, podemos evitar repetir o mesmo equívoco no futuro. Beth e outros jogadores na trama abriam mão de horas de descanso, após um dia inteiro de campeonato, para revisar os jogos feitos e planejar como o fariam no dia seguinte, para evitar os mesmos erros.

Ter um plano, no jogo e nas finanças, com certeza pode te colocar um passo à frente. Afinal, mais do que evitar repetir equívocos, ter planos para a utilização do seu dinheiro faz você perder menos tempo e ajuda a escolher a melhor estratégia de investimentos que precisa adotar.

3- Confiança excessiva e tentações atrapalham. E muito

No momento em que a protagonista da série tem a chance de realizar o sonho de ganhar do maior jogador do mundo, escorrega porque cede a tentação de badalar em Paris com uma amiga. Juntou o vício em álcool com a confiança de que, na manhã seguinte, estaria 100% pronta para enfrentar o jogo mais difícil da sua vida. Com o dinheiro, isso também acontece.

Às vezes foi feito um esforço para poupar, e surge a tentação de gastar em algo que não estava planejado. Junto com isso, a confiança de que conseguirá facilmente acumular novamente. São decisões que, com certeza, podem desviar a pessoa de conquistar seu principal objetivo.

4- Duas (ou mais) cabeças sempre pensarão melhor do que uma

Quando Beth decide passar uma temporada em Nova York para treinar jogos de xadrez com seu crush, começamos a entender que o sucesso no jogo também depende de coletividade. É dessa forma que a minissérie explica porque os russos são tão feras nesse esporte: eles reúnem muitas pessoas para revisar, refazer e pensar em jogos para o campeão deles. Unidos, acabam sendo mais fortes que os norte-americanos, que costumam ser mais individualistas. Quando Beth cria esse coletivo, ela consegue alcançar o nível do oponente.

Com as decisões financeiras, essa lei também se aplica. Conversar com a família, contratar especialistas que podem apoiar suas decisões, colocando seus interesses em primeiro lugar, com certeza farão da sua estratégia financeira vencedora. A dica é conversar sobre esse assunto dentro da sua perspectiva e suas necessidades, e não tomar decisões só baseadas em pesquisas na internet.

5- Saiba a hora de abandonar o que não deu certo

O xadrez é um jogo intelectual, de persistência e regras claras. O xeque-mate indica o fim da partida. É quando o rei é atacado e não tem como se locomover, ou seja, não há alternativas de movimentação. Embora a jogada seja o objetivo de cada parte, o mais comum, como mostra a série, é abandonar a partida assim que o jogador percebe que ela está perdida, deitando o Rei sobre o tabuleiro.

Quando se toma uma decisão financeira perdedora, é necessário reconhecer e sair da posição. É melhor aceitar o prejuízo do que continuar insistindo no que não deu certo. E isso vale para tudo: um negócio, um investimento inadequado, um imóvel que está dando prejuízo. Para isso, é preciso ter discernimento para saber diferenciar o que é oscilação de mercado – ou seja, um mau momento temporário de algum investimento – de algo que realmente se provou malsucedido.

 

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

Tem veículo? Saiba se vale aproveitar os descontos nas taxas e no IPVA

A partir desta segunda-feira (04/01) é possível acessar descontos na taxa de licenciamento e no Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA).

Por causa do reajuste que ocorreu neste ano, o desconto na taxa de licenciamento será maior, de 40% para quem pagar até o dia 14 de janeiro. Assim, quem optar pelo licenciamento antecipado pagará R$ 98,91 em vez de R$ 131,80 – valor que passa a valer a partir do dia 15.

Já o desconto de quem paga o IPVA antecipadamente e à vista é menor, de 3%. Neste ano não será cobrado o valor referente ao seguro DPVAT.

Muitos me perguntam se vale a pena pagar tudo antecipadamente para aproveitar os descontos. A resposta é sim, desde que a pessoa tenha reservado o valor para honrar esses compromissos de início de ano.

Também vale a pena sacar da reserva de emergência e quitar tudo com desconto. Isso porque o rendimento de aplicações em renda fixa, como a poupança, não são maiores do que os descontos oferecidos nessas taxas.

Para quem não vale a pena? Para o endividado, quem não guardou dinheiro para essas despesas ou não tem reserva de emergência para utilizar.

E nada de pegar empréstimo ou usar o limite do cartão e do cheque especial. Com certeza, pagará mais juros do que vai economizar nessas taxas e impostos.

Nesse caso, o melhor é aproveitar o começo de ano para organizar o orçamento e pagar o licenciamento e o IPVA dentro do prazo, de acordo com a placa do seu veículo. Vale parcelar o imposto, mas não vale pagar multa por atraso.

E para quem é da época do papel, como eu, um lembrete: todos esses pagamentos devem ser efetuados pelo internet banking ou caixa eletrônico, já que desde o ano passado o boleto não é mais enviado para casa pelo correio.

Categorias
Artigos

6 tendências para o novo normal nas finanças pessoais

Sempre há algum aprendizado a extrair de experiências, por mais duras que elas sejam. Nesse ano que termina, foi necessário aprender rapidamente a praticar as lições que os manuais de finanças sempre ensinaram, entender a importância de saber para onde o dinheiro ia, de poupar para se proteger das incertezas… Enfim, de aprender a corrigir as rotas, revisar planos, rever necessidades e valores.

Na hora de olhar para frente, penso que se houver um novo normal na forma como olhamos para as finanças pessoais, seis tendências podem ter chegado para ficar.

 

1- A emergência é real, reserva é necessidade

O ser humano tem a tendência de achar que o imprevisto não acontece com ele, só com o vizinho. A pandemia fez de profissionais autônomos, empreendedores a empregados com carteira assinada verem o salário diminuir. Isso foi menos assustador para quem tinha uma reserva de emergência, que deve ser usada exatamente em momentos como esses.

Quem tinha reserva conseguiu elaborar estratégias para preservá-la. Uma cliente decidiu oferecer descontos especiais na pandemia e logo viu a renda subir novamente. Muitos outros, que acompanho de perto, revisaram o orçamento e descobriram que podiam viver com menos. Comento mais sobre estratégias para a reserva em artigo publicado na coluna da Planejar na Época Negócios, que também foi selecionado para representar o Brasil no site do Financial Planning Standard Boards – entidade responsável pela certificação CFP® no mundo.

2- Recompor a reserva para pular qualquer onda

Antes de viver esse ano excepcional, era comum ver pessoas que demoravam a recompor a reserva mesmo quando a utilizavam de forma programada – como o período de férias para quem é autônomo, por exemplo.

Esse é um comportamento que está mudando e tende a mudar, diante da possibilidade de outras ondas ou mesmo de outros eventos como a pandemia acontecerem. Então a lição de recompor a reserva usada também veio para ficar.

3- Usar o lado frio da cabeça ao analisar seus investimentos

Esse parece ser o aprendizado mais difícil, porque dinheiro é emoção, e quando está investido então, nem se fala. Em outubro, quando a pandemia completava por aqui oito meses, um cliente perguntava angustiado se só a carteira dele não tinha se recuperado totalmente das quedas de março. Eu respondi que as carteiras que têm uma parcela de investimentos em ações e outros ativos que oscilam também estavam em processo de recuperação, mas que ela não havia chegado totalmente.

Naquele momento quem tinha um resultado positivo no acumulado do ano foi quem decidiu diversificar em fundos ações e multimercados bem no mês em que tivemos quatro circuit breakers. Essas pessoas usaram o lado frio da cabeça para tomar essa decisão, não se deixando levar pelo pânico daquele momento de queda livre.

Foram muitas as conversas para ajudar as pessoas a racionalizar a experiência daquele mês e protegê-las de perdas reais. Esse é um aprendizado importante e que deve ser exercitado também quando o mercado vai bem, momento em que é comum ver pessoas mais dispostas a investir em aplicações mais arriscadas.

Nesse caso, é preciso fugir da tentação de aumentar a parcela em investimentos mais arriscados por causa do momento bom. É uma lição que deve ser levada para todos os anos.

4- Foco no que você pode controlar traz felicidade

O mercado vai recuperar? E se cair de novo? Quando todos serão vacinados? E a economia? São muitas as dúvidas que esse grande evento deixou, algumas difíceis de prever. Tudo isso gera ansiedade e nos tira do foco principal, que é cuidar do dinheiro para ter paz.

Controlar as despesas pode ser trabalhoso, pois requer anotações, categorização, organização. Mas quem fez essa lição conseguiu descobrir que gastava com o que não precisava, e deixava de gastar com o que traz felicidade. E isso, a forma como emprega os recursos, é o que realmente você pode controlar.

A boa e velha planilha foi muito importante para muitas pessoas anteverem como ficaria a vida com possíveis quedas de renda. Ajudou outras a poupar mais. O controle ajudou a deixar a cabeça menos preocupada com o que podia acontecer na vida financeira. E mais livre para pensar em oportunidades de gerar renda extra ou de se reinventar.

5- Proteger faz parte do jogo

Falar sobre morte é um tabu, quase ninguém gosta. E de dinheiro também. A conversa sobre o que pode acontecer economicamente com os dependentes em caso de falecimento nunca foi fácil. Há quem já feche a cara só de ouvir a palavra “seguro”.

No entanto, a Covid-19 tornou esse assunto quase inevitável. Dados da Susep mostraram que o faturamento com a venda de seguros de vida cresceu quase 12% de janeiro a setembro. A pandemia nos lembra que os seguros podem garantir a nossa proteção e a dos dependentes.

Seguros podem proporcionar um certo conforto em casos de invalidez ou de tratamentos para uma doença grave. Há também coberturas que repõem a renda de profissionais autônomos ou liberais em caso de doença que impossibilite o trabalho. Gestão de risco entrou para a conversa de forma mais recorrente.

6- Contra o isolamento financeiro, serviços profissionais

Em um ano em que os juros reais estão negativos e a inflação termina o período bem pressionada, só nos resta diversificar os investimentos para obter resultados melhores. Em 2020, o maior risco foi o de ficar parado em alguma aplicação sem oscilação nenhuma e não repor o poder de compra do dinheiro. Também foi o ano em que vi muitas pessoas buscando informações na internet sobre qual aplicação seria a próxima bola da vez.

É um cenário de investimento mais complexo e que exige gestão profissional e diversificação. Investir bem requer o conhecimento específico, e um trabalho prévio bem feito no sentido de definir objetivos e prazos para o investimento, dentro do perfil de risco de cada um. Buscar serviços profissionais nunca foi tão importante como agora.

O serviço de planejamento financeiro destacou-se para ajudar a evitar perdas, aumentar os ganhos e, principalmente, voltar a ter uma perspectiva. Nada melhor do que atravessar um momento ruim, com foco em um plano. E 2021 começará com esse equilíbrio entre viver o presente, sem deixar de lado o nosso futuro, que também depende de nós.