Categorias
Artigos

Minimalismo: quando menos é mais tempo e dinheiro

O movimento que defende que viver mais com menos traz qualidade de vida vem sendo cada vez mais propagado nos últimos cinco anos. No serviço de streaming Netflix estão disponíveis dois documentários sobre o assunto. Muito associado ao ato de consumir menos e no que realmente é importante e traz satisfação, o minimalismo pode ir além da economia de dinheiro nas compras.

Também pode ajudar a poupar um recurso que é cada vez mais escasso no cotidiano das pessoas, mesmo em tempos de pandemia: tempo e atenção.

A forma como administramos o tempo é tão valiosa quanto a forma que controlamos os recursos financeiros. No conceito minimalista, o excesso de objetos, que geralmente são comprados para preencher outros vazios na vida, demandam mais tempo para organizar em armários e, mais adiante, para selecionar os que devem ficar ou não.

Não apenas coisas, mas também o excesso de cartões de crédito e contas em bancos, corretoras e relacionamentos com instituições financeiras podem consumir bastante tempo em dois momentos importantes.

Um deles é na hora de declarar o Imposto de Renda. Gasta-se tempo para reunir os documentos, e atenção na hora de preencher e conferir para ver se os dados estão corretos. Uma das principais causas que levam o contribuinte à malha fina, segundo especialistas, é exatamente a digitação de dados incorretos.

Se há muitas informações causando uma insegurança para a pessoa que deveria preencher, em vez de tempo, será preciso gastar dinheiro para contratar um profissional ou outro investimento que reduza um pouco esse trabalho, como o certificado digital.

Neste ano, a Receita Federal colocou à disposição um projeto piloto de declaração pré-preenchida, que vem com dados previamente digitados, e deve ser feita online e pelo acesso Gov.br. Mesmo quem utiliza certificado digital ou a declaração pré-preenchida deve conferir as informações que constam de forma automática com os informes, para garantir que não será necessário fazer a retificação e, pior, não cair na malha fina.

O segundo momento em que o excesso de cartões e contas pode consumir bastante tempo é na organização financeira.

Para ter as rédeas das finanças por meio de um fluxo de caixa e orçamento, será necessário categorizar as despesas dos extratos e faturas. Esse processo é, muitas vezes revelador para quem acumula contas bancárias e cartões. É comum que as pessoas encontrem tarifas que nem faziam ideia que pagavam, pois simplesmente nunca pararam para consolidar esses relacionamentos com instituições financeiras.

Não defendo, porém, que o minimalismo deixe a pessoa acomodada aos relacionamentos bancários que tem. É importante conhecer o que o mercado oferece, experimentar, pois só assim encontrará alternativas melhores e que fazem mais sentido para o momento de vida atual. A proposta é escolher as que vão ficar.

Uma forma bem interessante de descobrir em quantas instituições o nome está cadastrado é por meio do Registrato, do Banco Central, um sistema que mostra quanto há em cada conta, quanto foi gasto em cada cartão de crédito e qual o nível de endividamento. Esse sistema também é uma excelente maneira de verificar se o nome pode estar sendo usado por outra pessoa, em alguma instituição.

O minimalismo que proponho não é só o que elimina quinquilharias e objetos que não trazem mais satisfação. Também está relacionado ao tempo e atenção para as finanças, que começam pela escolha de relacionamentos alinhados ao propósito de cada um.

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

E se Marie Kondo abrisse o armário da sua vida financeira?

A forma como lidamos com nossas finanças é mais parecida com o nosso comportamento em relação aos armários da nossa casa do que imaginamos.

Talvez por ser mulher, ter descendência japonesa ou mania de organização, encontro sempre alguma dica aplicada às finanças nos episódios de Ordem na Casa com Marie Kondo, cuja primeira temporada está disponível na Netflix.

Para quem não conhece, na série de apenas oito episódios, a japonesa especialista no assunto aplica um método próprio de organização na casa de pessoas em diferentes momentos de vida.

Em comum, a maioria dos candidatos a receber o método estão em fase de transição: recém-casados, morando em uma nova cidade, viúvos, recém-aposentados, à espera do primeiro ou de mais filhos e quem não mora mais com filhos.

Marie conta que seu método, o KonMari, tem como diferencial organizar uma casa por categorias e não por áreas. A primeira categoria a ser colocada em ordem é a de roupa, seguida por livros, papéis, itens variados (de banheiro, cozinha e garagem) e, por último, os itens de valor sentimental.

Mais interessante que o método é como ela conduz cada participante a atravessar essa difícil jornada emocional que é organizar aquilo que sempre escondemos dentro de casa. É aí que encontrei um paralelo com o planejamento financeiro.

O ato de tirar tudo do lugar para escolher o que fica e o que sai pega em cheio as emoções das pessoas, assim como acontece na hora abrir os extratos e separar os gastos por categoria (moradia, alimentação, transporte, lazer, saúde, previdência etc), para então decidir o que fica e o que sai.

Podemos concluir que é tão difícil desapegar de objetos quanto de hábitos financeiros.

ROUPAS E GASTOS: FIQUE SÓ COM OS QUE SERVEM

No método da japonesa, ela orienta que as pessoas toquem cada uma das peças de roupa e fiquem só com aquelas que realmente trazem um sentimento de felicidade.

No planejamento financeiro, fica a dica de “Marie-Rejane”: olhe para cada linha de despesa e se pergunte se isso realmente te faz bem ou se você gasta porque não teve tempo de fazer diferente / porque estava estressado no dia / ou se já está há um tempão precisando cancelar, mas sempre esquece.

A verdade é que, se você procurar, verá que não usa tudo (incluindo objetos) que tem nos armários de casa. O mesmo acontece com os gastos.

Usando o jargão das finanças comportamentais, armários e orçamentos ficam assim por causa de um viés chamado status quo – o nome até é pomposo, mas pode ser nocivo: trata-se do comportamento de deixar tudo como está e evitar mudar as coisas de lugar. É o famoso “está bom do jeito que está”.

LIVROS, PAPÉIS E INVESTIMENTOS: PENSE NO QUE QUER PARA SEU FUTURO AO ESCOLHÊ-LOS

Outro item que se acumula em gavetas, armários, estantes e prateleiras na casa das pessoas são livros e papéis diversos (cartões, documentos importantes e até aqueles que estão lá para recordação).

Marie Kondo orienta a fazer uma montanha deles, dar um tapinha para acordá-los e, ao pegar cada um, se perguntar se refletem os seus valores e quais benefícios você acha que podem trazer ao seu futuro.

O comportamento com livros pode se repetir diante de aplicações financeiras. É comum encontrar pessoas que investiram o dinheiro em aplicações financeiras que não fazem sentido para o que elas desejam para elas no futuro. Fica a reflexão.

COMO ESSAS SITUAÇÕES FAVORECEM SENTIMENTOS DE UNIÃO,  DOAÇÃO E ACEITAÇÃO

Assim como no processo de organização de um lar, no qual flagramos os participantes frustrados por não conseguirem desapegar de objetos, também é comum que, numa família ou no casal, alguém paralise enquanto organiza a vida financeira.

Marie diz que este momento é uma oportunidade de um ajudar o outro e de descobrir se todos compartilham dos mesmos valores. Arrumar a casa e a vida financeira fortalece esses laços invisíveis.

Em famílias com muitas crianças pequenas, a organizadora recomenda que elas sejam integradas ao processo e sejam chamadas a brincar de dobrar roupas e guardar objetos.

 No planejamento financeiro, a brincadeira é criar um jogo ou competição para que guardem moedas no cofrinho, protegendo-o, para no final obter um grande prêmio.

O resultado da organização é que casas antes entulhadas ficam lindas e cheias de caixas, lotadas de objetos que podem ir para a doação de alguma causa que a pessoa apoia.

Outra alternativa que Marie não explora é a possibilidade de vender objetos que estão novos e nunca foram usados. Com o dinheiro da venda, compre algo que precisa e invista o restante.

Muitas vezes a pessoa se sente culpada por nunca ter usado uma roupa ou objeto e não consegue se desfazer por isso.

Para diminuir esse sentimento de culpa, o método da japonesa recomenda um agradecimento a todos os itens antes que eles sejam descartados. Agradeça por eles terem ensinado a você que eles não fazem mais parte do seu estilo.

O fim de todo episódio mostra o sentimento de satisfação dos residentes de cada casa com o espaço livre e bonito que ganharam depois de todas as dificuldades.

 No fim de um processo de planejamento financeiro, o sentimento é muito parecido: a satisfação de ter liberdade financeira para viver bem hoje e, ao mesmo tempo, saber que é capaz de realizar amanhã sonhos que até então estavam guardados em gavetas esquecidas.