Categorias
Artigos

Minimalismo: quando menos é mais tempo e dinheiro

O movimento que defende que viver mais com menos traz qualidade de vida vem sendo cada vez mais propagado nos últimos cinco anos. No serviço de streaming Netflix estão disponíveis dois documentários sobre o assunto. Muito associado ao ato de consumir menos e no que realmente é importante e traz satisfação, o minimalismo pode ir além da economia de dinheiro nas compras.

Também pode ajudar a poupar um recurso que é cada vez mais escasso no cotidiano das pessoas, mesmo em tempos de pandemia: tempo e atenção.

A forma como administramos o tempo é tão valiosa quanto a forma que controlamos os recursos financeiros. No conceito minimalista, o excesso de objetos, que geralmente são comprados para preencher outros vazios na vida, demandam mais tempo para organizar em armários e, mais adiante, para selecionar os que devem ficar ou não.

Não apenas coisas, mas também o excesso de cartões de crédito e contas em bancos, corretoras e relacionamentos com instituições financeiras podem consumir bastante tempo em dois momentos importantes.

Um deles é na hora de declarar o Imposto de Renda. Gasta-se tempo para reunir os documentos, e atenção na hora de preencher e conferir para ver se os dados estão corretos. Uma das principais causas que levam o contribuinte à malha fina, segundo especialistas, é exatamente a digitação de dados incorretos.

Se há muitas informações causando uma insegurança para a pessoa que deveria preencher, em vez de tempo, será preciso gastar dinheiro para contratar um profissional ou outro investimento que reduza um pouco esse trabalho, como o certificado digital.

Neste ano, a Receita Federal colocou à disposição um projeto piloto de declaração pré-preenchida, que vem com dados previamente digitados, e deve ser feita online e pelo acesso Gov.br. Mesmo quem utiliza certificado digital ou a declaração pré-preenchida deve conferir as informações que constam de forma automática com os informes, para garantir que não será necessário fazer a retificação e, pior, não cair na malha fina.

O segundo momento em que o excesso de cartões e contas pode consumir bastante tempo é na organização financeira.

Para ter as rédeas das finanças por meio de um fluxo de caixa e orçamento, será necessário categorizar as despesas dos extratos e faturas. Esse processo é, muitas vezes revelador para quem acumula contas bancárias e cartões. É comum que as pessoas encontrem tarifas que nem faziam ideia que pagavam, pois simplesmente nunca pararam para consolidar esses relacionamentos com instituições financeiras.

Não defendo, porém, que o minimalismo deixe a pessoa acomodada aos relacionamentos bancários que tem. É importante conhecer o que o mercado oferece, experimentar, pois só assim encontrará alternativas melhores e que fazem mais sentido para o momento de vida atual. A proposta é escolher as que vão ficar.

Uma forma bem interessante de descobrir em quantas instituições o nome está cadastrado é por meio do Registrato, do Banco Central, um sistema que mostra quanto há em cada conta, quanto foi gasto em cada cartão de crédito e qual o nível de endividamento. Esse sistema também é uma excelente maneira de verificar se o nome pode estar sendo usado por outra pessoa, em alguma instituição.

O minimalismo que proponho não é só o que elimina quinquilharias e objetos que não trazem mais satisfação. Também está relacionado ao tempo e atenção para as finanças, que começam pela escolha de relacionamentos alinhados ao propósito de cada um.

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

5 riscos que os “conservadores” podem correr sem perceber

“Sabe o que é, sou conservador (a).” Essa é uma frase muito comum quando o assunto é investimentos. Mas o que é ser conservador?

Segundo o dicionário Michaelis, o conservador pode ser “aquele que conserva” e é “caracterizado pela prudência e moderação”. Em investimentos, dependendo da análise de perfil de risco de cada instituição financeira, é aquele que deveria ter aplicado a maior parte de seus investimentos em renda fixa e uma parcela menor em multimercados e renda variável. Não vou entrar no mérito de quanto, pois cada lugar tem a sua recomendação.

O que interessa é observar os riscos que as pessoas que se consideram conservadoras estão sujeitas, sem fazer a menor ideia. Disclaimer: a ideia não é criticar ou defender um ou outro tipo de investimento, mas trazer a reflexão sobre os riscos que podem não são percebidos, seja por falta de educação financeira, por aspectos do comportamento ou culturais, como o de seguir conceitos tradicionais.

 1- Deixar o dinheiro perder valor

Na época do meu avô, esse tipo de conservador guardava o dinheiro embaixo do colchão, para o caso de ter recursos diante de algum evento iminente. Hoje é quem tem todo o patrimônio em conta corrente ou na caderneta de poupança nova (a que recebeu depósitos após 03/05/2012).

A impressão é que não há nenhuma perda deixando tudo do jeito que está. Em geral, só se percebe que há algo errado quando é preciso comprar um bem com o valor aplicado e ver que não é possível, pois os preços subiram e o dinheiro não acompanhou a inflação.

2- Falsa proteção de capital

“Ganhe 18% ao ano, sem poder resgatar o valor em três anos, ou receba de volta o dinheiro que investiu.” Esse tipo de aplicação tem o conceito de capital protegido. Ele geralmente é estruturado para oferecer um retorno elevado, desde que não se mexa no recurso em um determinado período. Se tudo der errado, porém, o investidor tem de volta o mesmo valor que aplicou, sem mais nem menos. Parece muito bom, mas nessa oferta há riscos que podem ser ignorados.

Se receber apenas o que aplicou depois de três anos, a pessoa não terá o dinheiro corrigido pela inflação, portanto não protegeu o capital investido da alta de preços. Outro risco é o de perder a oportunidade de ganhar mais em outros investimentos, principalmente se houver uma mudança de cenário econômico, porque deixou o dinheiro travado.

3- Imobilizar o patrimônio, sem considerar custos

Comprar muitos imóveis e viver de renda de aluguel é a estratégia certeira. Quem nunca ouviu isso de pais, tios, cunhados e avós? No Brasil é difícil não ter escutado, e no passado realmente pode ter sido a melhor coisa. Afinal, antes de 1994 – e isso não faz tanto tempo –, a inflação era a vilã e o dinheiro perdia valor rapidamente se não fosse aplicado em algo concreto.

Essa ideia ficou no DNA e os riscos que as pessoas que amam imóveis correm são o de não descontar todos os custos que terão com esse investimento (manutenção, Imposto de Renda sobre o aluguel e o custo quando fica desocupado). Quando tudo isso é levado em consideração, pode não ser o melhor investimento em termos de retorno.

O segundo risco que corre quem tem todo ou quase todo o patrimônio em imóveis é o de ficar sem liquidez (possibilidade de ter acesso ao dinheiro rapidamente e sem perdas). Afinal, tijolo não paga boletos.

4- Precisar da certeza de quanto vai ganhar

Há pessoas que só se sentem confortáveis se souberem, com certeza, no ato do investimento, quanto vão ganhar. Em geral, investem tudo ou a maior parte do que têm em títulos prefixados, que geralmente têm vencimentos para daqui mais de um ano.

Quanto mais distante o vencimento, maior o retorno oferecido. Aqui há o mesmo risco dos exemplos 3 e 2: o de ficar sem disponibilidade do dinheiro em caso de necessidade e precisar pegar um empréstimo. E o de perder a oportunidade de ter ganhos em outros investimentos caso o cenário mude, principalmente em prazos longos, de três, cinco anos para cima.

5- Acreditar na promessa de retorno irresistível

Esse ficou por último, mas podia ser o primeiro, já que durante a pandemia, as ofertas de pirâmides financeiras cresceram a ponto de resultar em uma força-tarefa pelo Conselho Nacional de Defesa do Consumidor (CNDC).

A taxa básica de juros (Selic) no menor patamar da história, somada à crise sanitária, estimulou muitos “conservadores”, que tinham medo de investir em ações, a arriscar em ofertas fraudulentas que em geral envolvem operações com criptomoedas, câmbio e day trade. Dessa forma, correm o risco extremo, de perda total do capital investido. Por isso é bom desconfiar se o retorno prometido for muito elevado, sem nenhum risco. Porque isso não existe no mundo real. E se tiver dúvida, sempre pesquise a empresa que está oferecendo o investimento no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

Do jogo para as finanças: o que aprender com O Gambito da Rainha

Uma das minisséries mais assistidas da Netflix em 2020, com audiência superior a 62 milhões de views nas primeiras quatro semanas de lançamento, O Gambito da Rainha também traz insights que podemos extrair do xadrez na hora de tomar decisões financeiras.

Bem avaliada por reproduzir com fidelidade os jogos, a série também atrai pela produção e atuação de Anya-Taylor Joy no papel da garota prodígio Beth Harmon, que aprende a jogar no orfanato e sonha ser supercampeã. A série prende atenção do início ao fim e emociona por ser uma história de superação da personagem, também viciada em calmantes e álcool.

Tudo acontece em apenas sete episódios. Se não aproveitou o recesso para assistir, aviso que o texto a seguir contém spoilers.

 1- Considere diferentes cenários

No xadrez é necessário considerar diferentes possibilidades no jogo e tentar prever os passos do seu oponente. Isso é mostrado com riqueza de detalhes na minissérie, tanto que a protagonista se torna famosa por desbancar os adversários ao surpreendê-los no jogo.

Em um plano financeiro, também é necessário considerar diferentes cenários e pensar no que fazer diante deles. É o que o dito popular chama de plano B, importante para atravessar momentos difíceis, como o da pandemia.  No planejamento financeiro, também chamamos isso de gestão de riscos, ou seja, a proteção de objetivos financeiros diante da possibilidade de eventos inesperados.

2- Para se desenvolver, revise o que foi feito e planeje

Na psicologia econômica, aprendi que registrar decisões e olhar para elas depois de um tempo nos ajuda a enxergar onde erramos. Assim, podemos evitar repetir o mesmo equívoco no futuro. Beth e outros jogadores na trama abriam mão de horas de descanso, após um dia inteiro de campeonato, para revisar os jogos feitos e planejar como o fariam no dia seguinte, para evitar os mesmos erros.

Ter um plano, no jogo e nas finanças, com certeza pode te colocar um passo à frente. Afinal, mais do que evitar repetir equívocos, ter planos para a utilização do seu dinheiro faz você perder menos tempo e ajuda a escolher a melhor estratégia de investimentos que precisa adotar.

3- Confiança excessiva e tentações atrapalham. E muito

No momento em que a protagonista da série tem a chance de realizar o sonho de ganhar do maior jogador do mundo, escorrega porque cede a tentação de badalar em Paris com uma amiga. Juntou o vício em álcool com a confiança de que, na manhã seguinte, estaria 100% pronta para enfrentar o jogo mais difícil da sua vida. Com o dinheiro, isso também acontece.

Às vezes foi feito um esforço para poupar, e surge a tentação de gastar em algo que não estava planejado. Junto com isso, a confiança de que conseguirá facilmente acumular novamente. São decisões que, com certeza, podem desviar a pessoa de conquistar seu principal objetivo.

4- Duas (ou mais) cabeças sempre pensarão melhor do que uma

Quando Beth decide passar uma temporada em Nova York para treinar jogos de xadrez com seu crush, começamos a entender que o sucesso no jogo também depende de coletividade. É dessa forma que a minissérie explica porque os russos são tão feras nesse esporte: eles reúnem muitas pessoas para revisar, refazer e pensar em jogos para o campeão deles. Unidos, acabam sendo mais fortes que os norte-americanos, que costumam ser mais individualistas. Quando Beth cria esse coletivo, ela consegue alcançar o nível do oponente.

Com as decisões financeiras, essa lei também se aplica. Conversar com a família, contratar especialistas que podem apoiar suas decisões, colocando seus interesses em primeiro lugar, com certeza farão da sua estratégia financeira vencedora. A dica é conversar sobre esse assunto dentro da sua perspectiva e suas necessidades, e não tomar decisões só baseadas em pesquisas na internet.

5- Saiba a hora de abandonar o que não deu certo

O xadrez é um jogo intelectual, de persistência e regras claras. O xeque-mate indica o fim da partida. É quando o rei é atacado e não tem como se locomover, ou seja, não há alternativas de movimentação. Embora a jogada seja o objetivo de cada parte, o mais comum, como mostra a série, é abandonar a partida assim que o jogador percebe que ela está perdida, deitando o Rei sobre o tabuleiro.

Quando se toma uma decisão financeira perdedora, é necessário reconhecer e sair da posição. É melhor aceitar o prejuízo do que continuar insistindo no que não deu certo. E isso vale para tudo: um negócio, um investimento inadequado, um imóvel que está dando prejuízo. Para isso, é preciso ter discernimento para saber diferenciar o que é oscilação de mercado – ou seja, um mau momento temporário de algum investimento – de algo que realmente se provou malsucedido.

 

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

Quem precisa de uma reserva de emergência

Você, eu e todo mundo que quer proteger o patrimônio e os planos de imprevistos

Em janeiro é comum ouvir a frase “não posso gastar porque tive muitos imprevistos”, além do clássico “estou sem dinheiro”. Frases que se repetem sempre no começo do ano e frequentemente usadas para adiar o início de um plano financeiro.

Também são justificativas usadas por quem não tem uma reserva de emergência, também chamada de colchão financeiro.

Essa reserva deve ser o equivalente a seis meses de despesas mensais, mas isso também depende do fluxo de receita de cada pessoa.

Quem tem uma renda que é variável, como um prestador de serviço autônomo, deve ter uma reserva mais robusta, inclusive para cobrir os gastos fixos durante as épocas de fraco movimento das vendas.

A reserva deve estar em aplicação de fácil acesso e com rentabilidade conservadora. Afinal, ela é destinada a emergências.

Com reserva, dá para investir com tranquilidade

Sempre que converso com alguém sobre planejamento financeiro e investimentos, questiono bastante a respeito dessa reserva. Ela faz toda a diferença quando se trata da realização de objetivos financeiros, pois protege o patrimônio e até mesmo a realização de planos. Por isso, a resposta ao título desse artigo é: todo mundo deve ter.

Em tempos de rentabilidade baixa na renda fixa, alguns clientes ficam tentados a querer investir essa reserva em aplicações de maior risco.

O problema de uma decisão como essa é justamente precisar do dinheiro para uma emergência no dia que esta aplicação estiver em baixa e fizer o resgate. Sempre recomendo que, ao diversificar, mantenha a reserva protegida.

Quando usar uma reserva de emergência

A reserva de emergência ou colchão de segurança deve ser acessada para dar suporte a uma perda de emprego ou receita, para comprar uma geladeira para substituir a que quebrou, um celular porque o outro foi roubado ou mesmo despesas de última hora que são necessárias para realizar um plano sem perder dinheiro.

Sobre esse último exemplo, eu tenho uma história a compartilhar. Em 2017, quando já estava prestes a mudar de carreira, eu e meu marido programamos nossas férias em Nova York.

Conseguimos uma ótima condição na passagem aérea, o mesmo ocorreu na escolha do hotel. Estava tudo certo para irmos na segunda metade do meu período de 30 dias de férias – já que eu ainda era CLT. 

Eis que, no meu primeiro dia de férias, piso em falso em um degrau e lesiono o ligamento do pé esquerdo. No pronto-socorro, o ortopedista informa que devo ficar imobilizada por um mês. Se viajasse, teria que ficar sentada. A primeira reação foi pensar em cancelar tudo – afinal, como eu iria para uma cidade tão efervescente para circular a pé e ficar sentada?


No topo do Empire State de scooter com o maridão, curtindo a vista de NYC

Pensei de novo, calculei e percebi que realmente não valia a pena cancelar. Além de perder dinheiro com o que eu já havia pago, havia o principal prejuízo – o emocional – que era passar um mês inteiro lamentando o machucado presa em casa.

Recorri então à reserva de emergência e aluguei uma scooter (muito comum nos Estados Unidos para quem tem mobilidade reduzida) para circular pela cidade. Mas antes li muito sobre o quão acessível é a cidade de Nova York. E de fato é.

Fiz praticamente 90% do que planejei na cidade usando a scooter e as muletas. Havia rampas por todos os lados e motoristas de ônibus e de app de transporte que sempre me estendiam uma rampa. Aumentei um pouco o orçamento da viagem, mas ganhei upgrade no quarto de hotel – para um acessível e mais amplo. E o maior ganho foi realizar o meu plano.

Inimiga da reserva é a confiança excessiva

Então, quando falo com clientes sobre a importância de ter colchão financeiro, alguns esboçam um olhar abstrato. Outros entram em negação. Afinal, quem pode imaginar que vai machucar gravemente o pé no primeiro dia de férias? Ninguém. Eu pelo menos nunca pensei que minha reservinha fosse ser usada para isso.

A dificuldade de compor e recompor essa reserva está relacionada ao viés comportamental da confiança excessiva. É aquela frase de bolso que fica na cabeça dizendo: “comigo isso não vai acontecer”. E assim, achando que tudo sempre vai dar certo, a pessoa se arrisca bastante.

Como escapar dessa confiança excessiva, que pode trazer um prejuízo financeiro futuro? Conversando com alguém de sua confiança. Um planejador financeiro pode ajudar a mensurar os riscos e calcular qual o tamanho certo dessa reserva. E então? Está pronto para superar os imprevistos?

Categorias
Artigos

O que você precisa saber se não gosta de cuidar das suas finanças

Um levantamento confirmou em números o que muitos já sabem ou até desconfiam: 58% dos brasileiros não gostam de dedicar tempo para cuidar das próprias finanças.

A pesquisa é do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e foi realizada com 805 consumidores acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais.

Com esse percentual alto, resolvi fazer um post para a turma que não gosta de dedicar tempo para cuidar do próprio dinheiro.

Nem preciso repetir que uma solução para sair dessa encrenca de não cuidar das finanças é ter uma assessoria financeira personalizada, não é?

Porque cuidar das finanças pessoais demanda, além de conhecimento técnico sobre o assunto, um trabalho de autoconhecimento.

É preciso saber que tudo o que está por trás dos números significa na sua vida e como você se sente em relação a isso. E como planejadora, ajudo nessa busca.

Parece papo de terapeuta – e até é -, mas traz um resultado positivo para as suas finanças.

Já vi cliente que, nas primeiras reuniões de planejamento financeiro, não suportava olhar para a planilha pois não queria encarar os valores que estava gastando todo mês.

Depois de um trabalho personalizado, tomou gosto pela anotação, pois, com a minha ajuda, aprendeu a pensar e a cuidar do próprio dinheiro.

BARREIRA TAMBÉM É EMOCIONAL

Fico tão feliz quando vejo outra pessoa satisfeita e orgulhosa por ter ultrapassado essa barreira, que é 90% de raiz emocional.

O levantamento que citei no começo do texto mostra um pouco da importância do planejamento financeiro que faço, um trabalho que envolve aspectos técnicos e comportamentais.

O estudo mostra que 91% dos consumidores não fazem o controle do orçamento por não terem familiaridade com a matemática e 45% afirmaram que gastam muito por impulso.

CONSEQUÊNCIAS NEGATIVAS

Uma consequência de não cuidar das finanças é o endividamento excessivo, causado pelo descontrole. A pesquisa mostra que 17% dos respondentes precisam do socorro do cartão de crédito e do limite do cheque especial para pagar as contas do mês.

Pior: mais trabalhoso do que preencher planilhas de orçamento para controlar os gastos é ter de reorganizar e consolidar dívidas. Além de trabalho, leva tempo, que também é precioso.

Outro dado triste da pesquisa é que 48% nunca ou somente às vezes planejam seus recursos para realizar um sonho. A pesquisa mostra que 38% nem sempre têm planos para o futuro.

Quando iniciamos o processo de planejamento financeiro, conversamos de forma a resgatar esses planos e sonhos muitas vezes perdidos. E investimos para realizá-los. Afinal, o que seria da vida sem os sonhos e sem a esperança de um amanhã melhor?