Categorias
Artigos

Sabe qual dinheiro não aceita desaforo? O que não foi investido

Quando se aprende a gastar menos do que se ganha, ou aumentar a renda sem elevar as despesas na mesma proporção, surge um fenômeno que causa um misto de prazer e desconforto em alguns investidores: onde investir o dinheiro parado em conta-corrente?

A sensação de prazer é óbvia, já que foi resultado de esforço, disciplina e foco em economizar para um objetivo – não importa se ele é claro ou vago.

Quando isso acontece, percebemos que somos capazes de criar o hábito de poupar e que temos o poder de guiar os números e não ser guiado por eles. Maravilhoso, não é?

MEDO DE ‘ESCOLHER ERRADO’ GERA DESCONFORTO

Mas em seguida vem o desconforto, causado pela dúvida sobre onde aplicar e o medo de fazer a escolha errada e de se arrepender. É natural, porque, primeiramente, existem milhares de opções no mercado financeiro.

Se você abre a plataforma de uma corretora, fica em dúvida. E, se for ao banco perguntar ao gerente, pode receber uma recomendação que não é exatamente a melhor para você.

O que observar antes de escolher? Maior rentabilidade? Prazo? Taxas? Impostos? É de causar um nó na cabeça de quem não entende sobre o assunto e quer comparar.

A INÉRCIA CORRÓI O SEU PODER DE COMPRA

Quando vem esse sentimento, três caminhos são possíveis. O primeiro é deixar como está, permanecer na inércia. O perigo é que, enquanto o dinheiro está lá, o poder de compra é corroído pela inflação.

Quem está nesse ponto deve, no mínimo, guardar o valor em um aplicação simples, como a poupança, até decidir onde alocar o recurso.

Nesse caso, lembre-se: o ganho da poupança praticamente tem empatado ou sido menor do que a inflação. Então, deixar o recurso estacionado na caderneta também não resolve o problema.

O outro caminho é o mais nocivo: gastar tudo e depois não se lembrar para onde foi aquele dinheiro que estava “sobrando”.

Eu já vi isso acontecer com pessoas que conseguem guardar, mas ao mesmo tempo não resistem às tentações do consumo. Para elas, o melhor pode ser colocar em uma aplicação automática.

O terceiro caminho possível – e agora puxo a sardinha para o meu serviço – é buscar auxílio profissional e feito sob medida.

PRIMEIRO PASSO: DEFINIR OBJETIVOS E PRAZOS

É nesse ponto que acabo conhecendo muitos de meus clientes. No processo de planejamento financeiro pessoal, colocamos um objetivo para esses recursos que estão parados em conta e um prazo para que fiquem aplicados.

Esse é o primeiro passo para tornar a escolha mais fácil.

A diferença de fazer o investimento durante um processo de planejamento é que as necessidades do cliente ficam sempre em primeiro lugar, e não as do banco e nem da corretora. Isso torna a escolha mais segura.

CONHEÇA O SEU COMPORTAMENTO FINANCEIRO

Além disso, nesse processo o planejador pode fazer uma análise comportamental do investidor – diferente da análise de perfil de risco (o formulário que você preenche para o banco ou corretora), que é obrigatória.

Ambos são importantes e auxiliares nesse processo, mas a diferença é que, na análise comportamental, o próprio investidor passa a perceber como reage a diferentes cenários quando o assunto é dinheiro.

Assim, sabe quais são os impactos positivos e negativos dessas reações nas decisões que ele toma em relação ao próprio dinheiro.

TER UMA PLANEJADORA É UM DIFERENCIAL

Com o apoio de uma planejadora financeira, consegue evitar erros que sempre se repetiram em sua vida na tomada de decisão.

Assim, acredito que há uma combinação de fatores que levam ao sucesso no processo de escolha dos investimentos.

O investidor precisa entender no que está aplicando seus recursos, investi-los com objetivos e prazos claros, ter autoconhecimento suficiente para saber qual o seu perfil de risco e de comportamento financeiro.

Acima de tudo, contar com alguém que trabalha apenas em prol de seus interesses. Esse é o meu clube.

 

 

Categorias
Artigos

Só o planejador financeiro ajuda o investidor a ganhar mais

Aplicar bem os recursos, evitando perdas e obtendo bons rendimentos, é o desejo de todo investidor individual, não importa se iniciante ou experiente, se com um patrimônio de maior ou menor monta.

Ele pode estudar finanças para escolher as aplicações e entender os jargões, mas ainda assim não poderá escapar de tomar uma decisão que o conduza ao erro e, consequentemente, à perda.

Como isso é possível? A tomada de decisões financeiras leva em consideração intuição, memórias, impressões, percepções e emoções – aspectos subjetivos -que fazem com que os investidores individuais, mesmo os experientes, apresentem a tendência de perder na maioria das vezes.

Quem explica é Daniel Kahneman, psicólogo e Nobel de Economia em 2002 -teórico das finanças comportamentais, ciência que pouco a pouco conquistou respeito no mercado financeiro.

Sua mais importante obra neste sentido é o livro Rápido e Devagar – Duas Formas de Pensar -, na qual detalha as pesquisas desenvolvidas ao lado de Amos Tversky, pioneiro no estudo da ciência cognitiva.

Não à toa Kahneman foi um dos palestrantes mais aguardados no primeiro dia do Congresso da B3 – Brasil, Bolsa, Balcão – realizado na sexta-feira (25/08) em Campos do Jordão.

Para ele, o investidor individual precisa de mais proteção do que imagina quando o assunto são as próprias finanças.

Essa é uma questão que passa ao largo da teoria da racionalidade econômica, ao pressupor que somos racionais e, que apenas por isso, também somos capazes de tomar decisões acertadas sempre.

“Somos racionais, mas podemos cometer erros gravíssimos por influência do comportamento. Na área de finanças, as pessoas precisam de proteção”, afirma Kahneman.

“É uma questão moral e filosófica. Ainda há contratos financeiros e de hipotecas com cláusulas predatórias, impossíveis de serem compreendidas. As grandes instituições financeiras têm meios de evitar perdas. O investidor individual não.”

Em diversos momentos, durante a palestra e em conversa com jornalistas, o Nobel de Economia lembrou da bolha imobiliária nos Estados Unidos, que levou à bancarrota de milhares de famílias, e eclodiu na crise financeira do país em 2008.

Kahneman foi duro com o trabalho da imprensa ao afirmar que há nela há um conflito de interesses. “Os investidores individuais respondem a dicas e notícias da mídia sem saber o que estão fazendo e isso explica porque eles perdem e as instituições financeiras ganham.”

A educação financeira é uma grande aliada para que as pessoas lidem melhor com o próprio dinheiro, mas isso não é suficiente.

O que ganha destaque mesmo na diminuição das perdas e até do sofrimento psicológico de investidores individuais, conforme Kahneman, é o trabalho do planejador, consultor e assessor financeiro –que, ao contrário do que possa parecer, não deve ser procurado apenas para ajudar na escolha de investimentos específicos.

“Nisso eles não são melhores do que os investidores individuais. Eles são mais importantes como terapeutas e coachs, ao ajudar as pessoas a não mudar tanto de ideia e a mexer na política de investimentos no tempo certo”, afirma.

AS QUATRO IDEIAS PSICOLÓGICAS DE IMPACTO PARA OS INVESTIDORES, DE ACORDO COM KAHNEMAN

 

*Texto publicado em 28/08/17 no Diário do Comércio