Categorias
Artigos

4 medidas para proteger suas finanças da inflação

Há alguns meses assistia a uma novela antiga, do fim da década de 1980, um típico “programa de pandemia”, quando observei um diálogo sobre como os preços nos supermercados estavam pela “hora da morte”. Esse é um diálogo corriqueiro em várias obras do gênero. É que a novela da inflação, vira e mexe se repete.

É claro que ela não é mais tão forte como nos 80 e passou a ter um pouco mais estabilidade nas últimas décadas, após o Plano Real. Mas em um ano ou outro ela nos relembra sobre quão é resistente, feito um dragão. Na pandemia não foi diferente. Os preços de alimentos, gasolina e, agora, da energia subiram, e por serem itens essenciais, reduzem o poder de compra das famílias.

O índice de inflação em maio foi de 0,83% – a maior taxa para este mesmo mês desde 1996. Nos últimos 12 meses, subiu 8,06%, o que corroeu não só a capacidade de consumo, mas também o poder de compra do dinheiro que está em aplicações financeiras e que renderam menos que esse percentual. Se os rendimentos não acompanharam a inflação, o recurso pode não ser suficiente para comprar o que gostaria no futuro.

Por isso, quando o assunto é a inflação no planejamento financeiro das famílias, é importante adotar uma série de medidas, que passam não só pela revisão das aplicações, mas também por controle do orçamento e por uma atenção extra ao comportamento de consumo. Selecionei quatro delas.

1- Descubra qual é a sua inflação pessoal

O índice de inflação oficial no Brasil, o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), registra a cada mês o aumento de preços de uma cesta de consumo de famílias com rendimento de um a 40 salários mínimos, em dez regiões metropolitanas, além de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e Brasília. É um índice amplo, que serve como base sobre o quanto o poder de compra pode ser afetado por altas.

Mas nem sempre reflete a realidade do orçamento de uma pessoa ou de uma família em específico, já que cada qual tem suas particularidades. Por isso, o controle financeiro dos gastos, com anotações mês a mês, permite entender o quanto a despesa pessoal foi afetada pelos aumentos nos preços. Montar um fluxo de caixa, com anotação mensal de recebimentos e despesas por categorias, permite fazer um orçamento e acompanhar onde estão os gargalos e tomar medidas específicas sobre eles.

 

2- Substituir é um clássico que dá certo

Quando há controle financeiro, é possível saber onde a inflação está atingindo o orçamento e, com isso, tomar medidas. A mais clássica que os economistas recomendam é a substituição de marcas de produtos, ou mesmo por outras categorias, para fugir de preços temporariamente elevados. É o famoso trocar arroz por macarrão ou carne por frango, dependendo da época. Quando se trata de alimentação, vale usar a criatividade e quem costuma fazer um cardápio pode ter mais facilidade para fazer trocas interessantes de alimentos, preferindo os da estação.

As substituições também valem para serviços como planos de saúde, seguros, planos de TV por assinatura, internet e celular. Olhar para a concorrência todo ano pode até fazer com que o tipo de serviço melhore a um preço menor. É claro que o consumidor deve analisar bem essa decisão, para evitar que uma eventual carência no plano de saúde traga impactos negativos. Mas quando feita de forma sistemática e organizada, a substituição é uma grande aliada do orçamento.

3- Racionalize o consumo

Se não está no ambiente, apague a luz. Quem nunca ouviu a frase da mãe, tia ou avó? Sim, o uso racional dos recursos é outro aliado para segurar o preço de tarifas. Vale para o consumo de água, gás e compras de forma geral.

Quando a inflação foi um mal constante no país, era muito comum ver famílias lotando carrinhos nos supermercados para estocar comida, pois os preços subiam numa velocidade impressionante. Hoje isso não faz tanto sentido. Por essa razão, sempre vale olhar para a despensa e comprar apenas o que vai realmente cozinhar e consumir. Até porque convivemos com as entregas de comida pronta, e já observei muitas pessoas enchendo a despensa para depois fazer vários pedidos de delivery. Costumo dizer que guardam dinheiro na despensa.

Racionalizar implica prestar atenção ao comportamento de consumo. Se preparar os alimentos dá preguiça, é melhor não fazer muitas compras no supermercado. Ou se deseja mudar esse hábito, crie estratégias fáceis para usar o que tem no armário e geladeira e reduzir os pedidos de comida pronta. É uma escolha.

O consumo torna-se racional também quando é possível evitar os comportamentos que afetam os preços, como o de manada. Isso porque o aumento de preços é causado pela procura muito alta de um determinado bem ou serviço que não estava preparado para isso. É claro que a pandemia forçou muitas famílias a reformar casas para adaptar uma moradia a um espaço de trabalho e de estudo para crianças. Os preços de materiais de construção e de mão de obra subiram bastante por esse movimento e pelo aquecimento de novas construções, que continuaram a todo vapor. Racionalizar, nesse caso, é fazer as mudanças necessárias e deixar o que for possível para depois que essa onda passar. Porque ela passa.

4- Invista olhando para o indicador certo

A maior parte desse artigo foi sobre como proteger o seu dinheiro hoje, mas não podemos permitir que a inflação reduza o poder de compra dele no futuro.

Para isso, é necessário buscar um rendimento na carteira de investimentos acima da inflação, sem um risco tão elevado, que não possa ser suportado na carteira de investimentos. Em outras palavras, que esteja dentro do perfil de risco.

A melhor forma de investir é determinando objetivos e prazos para os recursos e manter uma reserva em baixo risco para cobrir imprevistos, porque eles acontecem. É muito importante também investir para ter liberdade financeira na aposentadoria. E se o valor investido para os projetos no médio prazo e no longo prazo não estiver acompanhando a inflação e, de preferência, entregando um retorno superior, é possível que não consiga lá na frente comprar as mesmas coisas que consegue hoje ou ter a renda necessária para o futuro.

É comum observar sempre o rendimento comparado ao CDI, que é a taxa de referência para os investimentos, e que está negativa se comparada à inflação. Por isso, o ideal é olhar para o indicador certo, buscar gestão profissional de investimentos para fazer correções e proteger os projetos do futuro que, neste momento, já podem estar na mira da inflação.

 

Rejane Tamoto é planejadora financeira CFP®, jornalista e sócia da FIDUC. Voluntária na Planejar – Associação Brasileira de Planejadores Financeiros-, tem como missão transformar positivamente a vida financeira das pessoas e contribuir para o crescimento dessa profissão no país.

Categorias
Artigos

Quem precisa de uma reserva de emergência

Você, eu e todo mundo que quer proteger o patrimônio e os planos de imprevistos

Em janeiro é comum ouvir a frase “não posso gastar porque tive muitos imprevistos”, além do clássico “estou sem dinheiro”. Frases que se repetem sempre no começo do ano e frequentemente usadas para adiar o início de um plano financeiro.

Também são justificativas usadas por quem não tem uma reserva de emergência, também chamada de colchão financeiro.

Essa reserva deve ser o equivalente a seis meses de despesas mensais, mas isso também depende do fluxo de receita de cada pessoa.

Quem tem uma renda que é variável, como um prestador de serviço autônomo, deve ter uma reserva mais robusta, inclusive para cobrir os gastos fixos durante as épocas de fraco movimento das vendas.

A reserva deve estar em aplicação de fácil acesso e com rentabilidade conservadora. Afinal, ela é destinada a emergências.

Com reserva, dá para investir com tranquilidade

Sempre que converso com alguém sobre planejamento financeiro e investimentos, questiono bastante a respeito dessa reserva. Ela faz toda a diferença quando se trata da realização de objetivos financeiros, pois protege o patrimônio e até mesmo a realização de planos. Por isso, a resposta ao título desse artigo é: todo mundo deve ter.

Em tempos de rentabilidade baixa na renda fixa, alguns clientes ficam tentados a querer investir essa reserva em aplicações de maior risco.

O problema de uma decisão como essa é justamente precisar do dinheiro para uma emergência no dia que esta aplicação estiver em baixa e fizer o resgate. Sempre recomendo que, ao diversificar, mantenha a reserva protegida.

Quando usar uma reserva de emergência

A reserva de emergência ou colchão de segurança deve ser acessada para dar suporte a uma perda de emprego ou receita, para comprar uma geladeira para substituir a que quebrou, um celular porque o outro foi roubado ou mesmo despesas de última hora que são necessárias para realizar um plano sem perder dinheiro.

Sobre esse último exemplo, eu tenho uma história a compartilhar. Em 2017, quando já estava prestes a mudar de carreira, eu e meu marido programamos nossas férias em Nova York.

Conseguimos uma ótima condição na passagem aérea, o mesmo ocorreu na escolha do hotel. Estava tudo certo para irmos na segunda metade do meu período de 30 dias de férias – já que eu ainda era CLT. 

Eis que, no meu primeiro dia de férias, piso em falso em um degrau e lesiono o ligamento do pé esquerdo. No pronto-socorro, o ortopedista informa que devo ficar imobilizada por um mês. Se viajasse, teria que ficar sentada. A primeira reação foi pensar em cancelar tudo – afinal, como eu iria para uma cidade tão efervescente para circular a pé e ficar sentada?


No topo do Empire State de scooter com o maridão, curtindo a vista de NYC

Pensei de novo, calculei e percebi que realmente não valia a pena cancelar. Além de perder dinheiro com o que eu já havia pago, havia o principal prejuízo – o emocional – que era passar um mês inteiro lamentando o machucado presa em casa.

Recorri então à reserva de emergência e aluguei uma scooter (muito comum nos Estados Unidos para quem tem mobilidade reduzida) para circular pela cidade. Mas antes li muito sobre o quão acessível é a cidade de Nova York. E de fato é.

Fiz praticamente 90% do que planejei na cidade usando a scooter e as muletas. Havia rampas por todos os lados e motoristas de ônibus e de app de transporte que sempre me estendiam uma rampa. Aumentei um pouco o orçamento da viagem, mas ganhei upgrade no quarto de hotel – para um acessível e mais amplo. E o maior ganho foi realizar o meu plano.

Inimiga da reserva é a confiança excessiva

Então, quando falo com clientes sobre a importância de ter colchão financeiro, alguns esboçam um olhar abstrato. Outros entram em negação. Afinal, quem pode imaginar que vai machucar gravemente o pé no primeiro dia de férias? Ninguém. Eu pelo menos nunca pensei que minha reservinha fosse ser usada para isso.

A dificuldade de compor e recompor essa reserva está relacionada ao viés comportamental da confiança excessiva. É aquela frase de bolso que fica na cabeça dizendo: “comigo isso não vai acontecer”. E assim, achando que tudo sempre vai dar certo, a pessoa se arrisca bastante.

Como escapar dessa confiança excessiva, que pode trazer um prejuízo financeiro futuro? Conversando com alguém de sua confiança. Um planejador financeiro pode ajudar a mensurar os riscos e calcular qual o tamanho certo dessa reserva. E então? Está pronto para superar os imprevistos?

Categorias
Artigos

O que você precisa saber se não gosta de cuidar das suas finanças

Um levantamento confirmou em números o que muitos já sabem ou até desconfiam: 58% dos brasileiros não gostam de dedicar tempo para cuidar das próprias finanças.

A pesquisa é do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e foi realizada com 805 consumidores acima de 18 anos, de ambos os gêneros e de todas as classes sociais nas 27 capitais.

Com esse percentual alto, resolvi fazer um post para a turma que não gosta de dedicar tempo para cuidar do próprio dinheiro.

Nem preciso repetir que uma solução para sair dessa encrenca de não cuidar das finanças é ter uma assessoria financeira personalizada, não é?

Porque cuidar das finanças pessoais demanda, além de conhecimento técnico sobre o assunto, um trabalho de autoconhecimento.

É preciso saber que tudo o que está por trás dos números significa na sua vida e como você se sente em relação a isso. E como planejadora, ajudo nessa busca.

Parece papo de terapeuta – e até é -, mas traz um resultado positivo para as suas finanças.

Já vi cliente que, nas primeiras reuniões de planejamento financeiro, não suportava olhar para a planilha pois não queria encarar os valores que estava gastando todo mês.

Depois de um trabalho personalizado, tomou gosto pela anotação, pois, com a minha ajuda, aprendeu a pensar e a cuidar do próprio dinheiro.

BARREIRA TAMBÉM É EMOCIONAL

Fico tão feliz quando vejo outra pessoa satisfeita e orgulhosa por ter ultrapassado essa barreira, que é 90% de raiz emocional.

O levantamento que citei no começo do texto mostra um pouco da importância do planejamento financeiro que faço, um trabalho que envolve aspectos técnicos e comportamentais.

O estudo mostra que 91% dos consumidores não fazem o controle do orçamento por não terem familiaridade com a matemática e 45% afirmaram que gastam muito por impulso.

CONSEQUÊNCIAS NEGATIVAS

Uma consequência de não cuidar das finanças é o endividamento excessivo, causado pelo descontrole. A pesquisa mostra que 17% dos respondentes precisam do socorro do cartão de crédito e do limite do cheque especial para pagar as contas do mês.

Pior: mais trabalhoso do que preencher planilhas de orçamento para controlar os gastos é ter de reorganizar e consolidar dívidas. Além de trabalho, leva tempo, que também é precioso.

Outro dado triste da pesquisa é que 48% nunca ou somente às vezes planejam seus recursos para realizar um sonho. A pesquisa mostra que 38% nem sempre têm planos para o futuro.

Quando iniciamos o processo de planejamento financeiro, conversamos de forma a resgatar esses planos e sonhos muitas vezes perdidos. E investimos para realizá-los. Afinal, o que seria da vida sem os sonhos e sem a esperança de um amanhã melhor?