Categorias
Artigos

6 tendências para o novo normal nas finanças pessoais

Sempre há algum aprendizado a extrair de experiências, por mais duras que elas sejam. Nesse ano que termina, foi necessário aprender rapidamente a praticar as lições que os manuais de finanças sempre ensinaram, entender a importância de saber para onde o dinheiro ia, de poupar para se proteger das incertezas… Enfim, de aprender a corrigir as rotas, revisar planos, rever necessidades e valores.

Na hora de olhar para frente, penso que se houver um novo normal na forma como olhamos para as finanças pessoais, seis tendências podem ter chegado para ficar.

 

1- A emergência é real, reserva é necessidade

O ser humano tem a tendência de achar que o imprevisto não acontece com ele, só com o vizinho. A pandemia fez de profissionais autônomos, empreendedores a empregados com carteira assinada verem o salário diminuir. Isso foi menos assustador para quem tinha uma reserva de emergência, que deve ser usada exatamente em momentos como esses.

Quem tinha reserva conseguiu elaborar estratégias para preservá-la. Uma cliente decidiu oferecer descontos especiais na pandemia e logo viu a renda subir novamente. Muitos outros, que acompanho de perto, revisaram o orçamento e descobriram que podiam viver com menos. Comento mais sobre estratégias para a reserva em artigo publicado na coluna da Planejar na Época Negócios, que também foi selecionado para representar o Brasil no site do Financial Planning Standard Boards – entidade responsável pela certificação CFP® no mundo.

2- Recompor a reserva para pular qualquer onda

Antes de viver esse ano excepcional, era comum ver pessoas que demoravam a recompor a reserva mesmo quando a utilizavam de forma programada – como o período de férias para quem é autônomo, por exemplo.

Esse é um comportamento que está mudando e tende a mudar, diante da possibilidade de outras ondas ou mesmo de outros eventos como a pandemia acontecerem. Então a lição de recompor a reserva usada também veio para ficar.

3- Usar o lado frio da cabeça ao analisar seus investimentos

Esse parece ser o aprendizado mais difícil, porque dinheiro é emoção, e quando está investido então, nem se fala. Em outubro, quando a pandemia completava por aqui oito meses, um cliente perguntava angustiado se só a carteira dele não tinha se recuperado totalmente das quedas de março. Eu respondi que as carteiras que têm uma parcela de investimentos em ações e outros ativos que oscilam também estavam em processo de recuperação, mas que ela não havia chegado totalmente.

Naquele momento quem tinha um resultado positivo no acumulado do ano foi quem decidiu diversificar em fundos ações e multimercados bem no mês em que tivemos quatro circuit breakers. Essas pessoas usaram o lado frio da cabeça para tomar essa decisão, não se deixando levar pelo pânico daquele momento de queda livre.

Foram muitas as conversas para ajudar as pessoas a racionalizar a experiência daquele mês e protegê-las de perdas reais. Esse é um aprendizado importante e que deve ser exercitado também quando o mercado vai bem, momento em que é comum ver pessoas mais dispostas a investir em aplicações mais arriscadas.

Nesse caso, é preciso fugir da tentação de aumentar a parcela em investimentos mais arriscados por causa do momento bom. É uma lição que deve ser levada para todos os anos.

4- Foco no que você pode controlar traz felicidade

O mercado vai recuperar? E se cair de novo? Quando todos serão vacinados? E a economia? São muitas as dúvidas que esse grande evento deixou, algumas difíceis de prever. Tudo isso gera ansiedade e nos tira do foco principal, que é cuidar do dinheiro para ter paz.

Controlar as despesas pode ser trabalhoso, pois requer anotações, categorização, organização. Mas quem fez essa lição conseguiu descobrir que gastava com o que não precisava, e deixava de gastar com o que traz felicidade. E isso, a forma como emprega os recursos, é o que realmente você pode controlar.

A boa e velha planilha foi muito importante para muitas pessoas anteverem como ficaria a vida com possíveis quedas de renda. Ajudou outras a poupar mais. O controle ajudou a deixar a cabeça menos preocupada com o que podia acontecer na vida financeira. E mais livre para pensar em oportunidades de gerar renda extra ou de se reinventar.

5- Proteger faz parte do jogo

Falar sobre morte é um tabu, quase ninguém gosta. E de dinheiro também. A conversa sobre o que pode acontecer economicamente com os dependentes em caso de falecimento nunca foi fácil. Há quem já feche a cara só de ouvir a palavra “seguro”.

No entanto, a Covid-19 tornou esse assunto quase inevitável. Dados da Susep mostraram que o faturamento com a venda de seguros de vida cresceu quase 12% de janeiro a setembro. A pandemia nos lembra que os seguros podem garantir a nossa proteção e a dos dependentes.

Seguros podem proporcionar um certo conforto em casos de invalidez ou de tratamentos para uma doença grave. Há também coberturas que repõem a renda de profissionais autônomos ou liberais em caso de doença que impossibilite o trabalho. Gestão de risco entrou para a conversa de forma mais recorrente.

6- Contra o isolamento financeiro, serviços profissionais

Em um ano em que os juros reais estão negativos e a inflação termina o período bem pressionada, só nos resta diversificar os investimentos para obter resultados melhores. Em 2020, o maior risco foi o de ficar parado em alguma aplicação sem oscilação nenhuma e não repor o poder de compra do dinheiro. Também foi o ano em que vi muitas pessoas buscando informações na internet sobre qual aplicação seria a próxima bola da vez.

É um cenário de investimento mais complexo e que exige gestão profissional e diversificação. Investir bem requer o conhecimento específico, e um trabalho prévio bem feito no sentido de definir objetivos e prazos para o investimento, dentro do perfil de risco de cada um. Buscar serviços profissionais nunca foi tão importante como agora.

O serviço de planejamento financeiro destacou-se para ajudar a evitar perdas, aumentar os ganhos e, principalmente, voltar a ter uma perspectiva. Nada melhor do que atravessar um momento ruim, com foco em um plano. E 2021 começará com esse equilíbrio entre viver o presente, sem deixar de lado o nosso futuro, que também depende de nós.

Categorias
Artigos

Quem precisa de uma reserva de emergência

Você, eu e todo mundo que quer proteger o patrimônio e os planos de imprevistos

Em janeiro é comum ouvir a frase “não posso gastar porque tive muitos imprevistos”, além do clássico “estou sem dinheiro”. Frases que se repetem sempre no começo do ano e frequentemente usadas para adiar o início de um plano financeiro.

Também são justificativas usadas por quem não tem uma reserva de emergência, também chamada de colchão financeiro.

Essa reserva deve ser o equivalente a seis meses de despesas mensais, mas isso também depende do fluxo de receita de cada pessoa.

Quem tem uma renda que é variável, como um prestador de serviço autônomo, deve ter uma reserva mais robusta, inclusive para cobrir os gastos fixos durante as épocas de fraco movimento das vendas.

A reserva deve estar em aplicação de fácil acesso e com rentabilidade conservadora. Afinal, ela é destinada a emergências.

Com reserva, dá para investir com tranquilidade

Sempre que converso com alguém sobre planejamento financeiro e investimentos, questiono bastante a respeito dessa reserva. Ela faz toda a diferença quando se trata da realização de objetivos financeiros, pois protege o patrimônio e até mesmo a realização de planos. Por isso, a resposta ao título desse artigo é: todo mundo deve ter.

Em tempos de rentabilidade baixa na renda fixa, alguns clientes ficam tentados a querer investir essa reserva em aplicações de maior risco.

O problema de uma decisão como essa é justamente precisar do dinheiro para uma emergência no dia que esta aplicação estiver em baixa e fizer o resgate. Sempre recomendo que, ao diversificar, mantenha a reserva protegida.

Quando usar uma reserva de emergência

A reserva de emergência ou colchão de segurança deve ser acessada para dar suporte a uma perda de emprego ou receita, para comprar uma geladeira para substituir a que quebrou, um celular porque o outro foi roubado ou mesmo despesas de última hora que são necessárias para realizar um plano sem perder dinheiro.

Sobre esse último exemplo, eu tenho uma história a compartilhar. Em 2017, quando já estava prestes a mudar de carreira, eu e meu marido programamos nossas férias em Nova York.

Conseguimos uma ótima condição na passagem aérea, o mesmo ocorreu na escolha do hotel. Estava tudo certo para irmos na segunda metade do meu período de 30 dias de férias – já que eu ainda era CLT. 

Eis que, no meu primeiro dia de férias, piso em falso em um degrau e lesiono o ligamento do pé esquerdo. No pronto-socorro, o ortopedista informa que devo ficar imobilizada por um mês. Se viajasse, teria que ficar sentada. A primeira reação foi pensar em cancelar tudo – afinal, como eu iria para uma cidade tão efervescente para circular a pé e ficar sentada?


No topo do Empire State de scooter com o maridão, curtindo a vista de NYC

Pensei de novo, calculei e percebi que realmente não valia a pena cancelar. Além de perder dinheiro com o que eu já havia pago, havia o principal prejuízo – o emocional – que era passar um mês inteiro lamentando o machucado presa em casa.

Recorri então à reserva de emergência e aluguei uma scooter (muito comum nos Estados Unidos para quem tem mobilidade reduzida) para circular pela cidade. Mas antes li muito sobre o quão acessível é a cidade de Nova York. E de fato é.

Fiz praticamente 90% do que planejei na cidade usando a scooter e as muletas. Havia rampas por todos os lados e motoristas de ônibus e de app de transporte que sempre me estendiam uma rampa. Aumentei um pouco o orçamento da viagem, mas ganhei upgrade no quarto de hotel – para um acessível e mais amplo. E o maior ganho foi realizar o meu plano.

Inimiga da reserva é a confiança excessiva

Então, quando falo com clientes sobre a importância de ter colchão financeiro, alguns esboçam um olhar abstrato. Outros entram em negação. Afinal, quem pode imaginar que vai machucar gravemente o pé no primeiro dia de férias? Ninguém. Eu pelo menos nunca pensei que minha reservinha fosse ser usada para isso.

A dificuldade de compor e recompor essa reserva está relacionada ao viés comportamental da confiança excessiva. É aquela frase de bolso que fica na cabeça dizendo: “comigo isso não vai acontecer”. E assim, achando que tudo sempre vai dar certo, a pessoa se arrisca bastante.

Como escapar dessa confiança excessiva, que pode trazer um prejuízo financeiro futuro? Conversando com alguém de sua confiança. Um planejador financeiro pode ajudar a mensurar os riscos e calcular qual o tamanho certo dessa reserva. E então? Está pronto para superar os imprevistos?